Make your own free website on Tripod.com

EDUCANDO PARA PAZ

CALMANTES E SEDATIVOS

Home
DESAPARECIDOS
EDUCANDO PARA A PAZ
DROGAS PSICOTROPICAS
ANFETAMINAS (Bolinhas - Rebites)
ANTI - COLINÉRGICOS
BEBIDAS ALCOÓLICAS
CALMANTES E SEDATIVOS
COCAINA
COGUMELOS E PLANTAS ALUCILÓGENAS
ESTEROIDES ANABOLIZANTES
MACONHA
OPIO E MORFINA
ALUCINÓGENOS
SOLVENTES OU INALANTES
TABACO
TRANQUILIZANTES OU ANSIOLÍTICOS
XAROPE PARA TOSSE
FALE COM O CONSELHEIRO
MURAL DE RECADOS
NOTICIAS DA ONU BRASIL

CUIDADO COM CALMANTES E SEDATIVOS SEM ORIENTAÇÃO MÉDICA.

Calmantes e Sedativos

 

BARBITÚRICOS

 

Definição

Sedativo é nome que se dá aos medicamentos capazes de diminuir a atividade de nosso cérebro, principalmente quando ele está num estado de excitação acima do normal. O termo sedativo é sinônimo de calmante ou sedante.

 

Quando um sedativo é capaz de diminuir a dor ele recebe o nome de analgésico. Já quando o sedativo é capaz de afastar a insônia, produzindo o sono, ele é chamado de hipnótico ou sonífero. E quando um calmante tem o poder de atuar mais sobre estados exagerados de ansiedade, ele é denominado de ansiolítico. Finalmente, existem algumas destas drogas que são capazes de acalmar o cérebro hiperexcitados dos epilépticos. São as drogas antiepilépticas, capazes de prevenir as convulsões destes doentes.

 

Neste folheto será abordado um grupo de drogas — tipo sedativos-hipnóticos — que são chamados de barbitúricos. Alguns deles também são úteis como antiepilépticos.

 

 

Estas drogas foram descobertas no começo do século XX e diz a história que o químico europeu que fez a síntese de uma delas pela primeira vez — grande descoberta — foi fazer a comemoração em um bar. E lá, encantou-se com a garçonete, linda moça que se chamava Bárbara. Num acesso de entusiasmo, o nosso cientista resolveu dar ao composto recém-descoberto o nome de barbitúrico.

 

Efeitos no cérebro

 

Os barbitúricos são capazes de deprimir várias áreas do nosso cérebro; como conseqüência as pessoas podem ficar mais sonolentas, sentindo-se menos tensas, com uma sensação de calma e de relaxamento. As capacidades de raciocínio e de concentração ficam também afetadas.

 

Com doses um pouco maiores do que as recomendadas pelos médicos, a pessoa começa a sentir-se como que embriagada (sensação mais ou menos semelhante a de tomar bebidas alcoólicas em excesso): a fala fica "pastosa", a pessoa pode sentir-se com dificuldade de andar direito.

 

Os efeitos acima descritos deixam claro que quem usa estes barbitúricos tem a atenção e suas faculdades psicomotoras prejudicadas; assim sendo, fica perigoso operar máquina, dirigir automóvel, etc.

 

Efeitos no resto do corpo

 

Os barbitúricos são quase que exclusivamente de ação central (cerebral), isto é, não agem nos nossos demais órgãos. Assim, a respiração, o coração e a pressão do sangue são afetados quando o barbitúrico, em dose excessiva, age nas áreas do cérebro que comandam as funções dos órgãos acima citados.

 

Efeitos tóxicos

 

Os barbitúricos são drogas perigosas porque a dose que começa a intoxicar as pessoas está próxima da que produz os efeitos terapêuticos desejáveis. Com estas doses tóxicas começam a surgir sinais de incoordenação motora, um estado de inconsciência começa a tornar conta da pessoa, ela passa a ter dificuldade para se movimentar, o sono fica muito pesado e por fim aparece um estado de coma. A pessoa não responde a nada, a pressão do sangue fica muito baixa e a respiração é tão lenta que pode parar. A morte ocorre exatamente por parada respiratória.

 

É muito importante saber que estes efeitos tóxicos ficam muito mais intensos se a pessoa ingere álcool ou outras drogas sedativas. Às vezes intoxicação séria pode ocorrer por este motivo.

 

Outro aspecto importante quanto aos efeitos tóxicos refere-se ao uso por mulheres grávidas. Estas drogas têm potencial teratogênico, além de provocarem sinais de abstinência (tais como dificuldades respiratórias, irritabilidade, distúrbios de sono e dificuldade de alimentação) em recém-nascidos de mães que fizeram uso durante a gravidez.

 

Aspectos gerais

 

Existem muitas evidências de que os barbitúricos levam as pessoas a um estado de dependência; com o tempo a dose tem também que ser aumentada, ou seja, há o desenvolvimento de tolerância. Estes fenômenos se desenvolvem com maior rapidez quando doses iniciais grandes são usadas desde o início. Quando a pessoa está dependente dos barbitúricos e deixa de tomá-los, passa a ter a síndrome de abstinência. Esta vai desde insônia rebelde, irritação, agressividade, delírios, ansiedade, angústia, até convulsões generalizadas. A síndrome de abstinência requer obrigatoriamente tratamento médico e hospitalização, pois há perigo da pessoa vir a falecer.

 

Situação no Brasil

 

Os barbitúricos eram usados de maneira até irresponsável no Brasil. Vários remédios para dor de cabeça, além de aspirina, continham também um barbitúrico qualquer. Assim, os antigos Cibalena, Veramon, Optalidom, Florinal etc, tinham o butabarbital ou secobarbital (dois tipos de barbitúricos) em suas fórmulas. O uso abusivo que se registrou no Brasil — muita gente usando grandes quantidades, repetidamente — de medicamentos como o Optalidon e o Fiorinal, levaram os laboratórios farmacêuticos a modificarem as fórmulas destes medicamentos, retirando os barbitúricos das mesmas.

 

Hoje em dia existem apenas alguns produtos, usados como sedativos-hipnóticos, que ainda apresentam o barbitúrico butabarbital. Por outro lado o fenobarbital é bastante usado no Brasil (e no mundo) pois é um ótimo remédio para os epilépticos. Finalmente, um outro barbitúrico, o tiopental é usado por via endovenosa, exclusivamente por anestesistas, para provocar a anestesia em cirurgias.

 

A lei brasileira exige que todos os medicamentos que contenham barbitúricos em suas fórmulas só sejam vendidos nas farmácias com a receita do médico, para posterior controle pelas autoridades sanitárias.

 

Fonte: Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas - CEBRID

Nova York, 07/05/2008 

Fonte:http://www.pnud.org.br

 

Celebridades engajam-se em divulgar ODM

50 personalidades ligadas à arte, à moda, aos esportes e aos negócios participam voluntariamente da divulgação dos Objetivos do Milênio

 

Celebridades dos esportes, da arte, da moda e dos negócios de todo o mundo reunidas para cliques com fotógrafos conceituados. Não é uma campanha publicitária para vender um produto, todos estão unidos na divulgação do esforço para atingir os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), uma série de metas socioeconômicas que os países da ONU se comprometeram a atingir até 2015.

 

A campanha foi iniciada com a russa Maria Sharapova, estrela do tênis e embaixadora da boa vontade do PNUD internacional, e o astro do basquete norte-americano LeBron James, cestinha da NBA na atual temporada. A dupla foi fotografada pelo fotógrafo Patrick Demarchelier (foto acima).

 

O conceito de "Trabalho em Equipe Contra Pobreza" vai envolver ao todo 50 celebridades, incluindo dois protagonistas dos campos de futebol, o francês Zinedine Zidane e o brasileiro Ronaldo — também embaixadores da boa vontade do PNUD. Outro brasileiro que atua na campanha é o renomado fotógrafo Sebastião Salgado. Todos concordaram em participar voluntariamente da iniciativa que promove os ODMs e em assumir alguns compromissos na luta contra pobreza, entre eles o suporte a atividades educacionais e projetos para prevenção da Aids e campanhas para promover fundos de financiamento à oferta de água potável e saneamento.

 

Entre as metas a serem promovidas pelas celebridades na campanha estão oferecer ensino básico universal, reduzir a mortalidade infantil, garantir a sustentabilidade ambiental e erradicar a extrema pobreza. A intenção dos Objetivos do Milênio é estabelecer melhoras mensuráveis na vida dos mais pobres.

 

A tenista Sharapova, 5ª colocada no ranking feminino mundial de tênis, promove os objetivos por meio de entrevistas e aparições públicas e contribuirá com a recuperação de Chernobyl. Ela fez uma contribuição financeira a oito projetos voltados para a juventude de comunidades rurais em Belarus e estados da Rússia e da Ucrânia. Em breve, visitará essas regiões.

 

Na campanha, a ser divulgada em jornais e revistas de todo o mundo, Maria Sharapova e LeBron James convidam o público em geral a se juntar na luta e afirmam que é necessário o esforço de todos para se alcançar os Objetivos do Milênio. O anúncio aponta ainda para o site MDG Monitor, por meio do qual os internautas podem monitorar o que os países têm feito para atingir os ODM.  

logoeducapaz.jpg

pactoglobal.jpg

Estes são dois principios do Pacto Global que estão inseridos dentrodo Projeto Educando para a Paz. Para tanto, já atuamos como membros da Anistia Internacional, e estamosvigilantes na defesados direitos humanos.
 
Princípios de Direitos Humanos
1. Respeitar e proteger os Direitos Humanos.
2. Impedir violações de Direitos Humanos

Erradicar a extrema pobreza e a fome Saiba mais
O número de pessoas em países em desenvolvimento vivendo com menos de um dólar ao dia caiu para 980 milhões em 2004, contra 1,25 bilhão em 1990. A proporção foi reduzida, mas os benefícios do crescimento econômico foram desiguais entre os países e entre regiões dentro destes países. As maiores desigualdades estão na América Latina, Caribe e África Subsaariana. Se o ritmo de progresso atual continuar, o primeiro objetivo não será cumprido: em 2015 ainda haverá 30 milhões de crianças abaixo do peso no sul da Ásia e na África.

  Atlas Racial: 50% dos negros do país são pobres (Correio do Povo - 02/12)

  

Geral

Atlas Racial: 50% dos negros do país são pobres

 

Os negros representam 60% dos pobres no Brasil e 70% dos indigentes, sendo que metade dessa população está abaixo da linha de pobreza (renda inferior a R$ 75,50 por mês), diante de 25% dos brancos. Os dados compõem o Atlas Racial Brasileiro, apresentado ontem pelo Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (Pnud) e pela Universidade Federal de Minas Gerais. O estudo, baseado em informações do IBGE, também revela diferença na expectativa de vida. Um menino negro nascido em 2000 viverá, em média, 5,3 anos a menos do que um branco, e se for menina, 4,3 anos a menos.

 

As más condições de alimentação e moradia faz com que a criança negra tenha 66% a mais de chance de morrer no primeiro ano de vida. A taxa de fecundidade das mulheres negras é de 2,7 filhos, ante 2,1 das brancas. Nas duas semanas anteriores à pesquisa, 69,7% dos negros conseguiram atendimento médico frente a 83,6% dos brancos. A dificuldade no acesso à saúde também se confirma pelo fato de o número de negros e pardos que nunca consultaram o dentista ser quase o dobro do percentual de brancos na mesma situação.

 

O atlas aponta avanços como a redução na diferença de matrícula entre crianças negras e brancas no Ensino Fundamental, mas prevalece a desigualdade no nível médio. O número de negros entre 10 e 14 anos no mercado de trabalho caiu 40% frente a 38,6% dos brancos.

 

paz.jpg